Histórico da Cia

Histórico da Cia

T.F.Style Cia de Dança

O T.F.Style Cia de Dança investiga a Dança Urbana Contemporânea e pesquisa as possibilidades de exercitar um pensamento contemporâneo do hip hop. Esta investigação concentra-se em descobrir novas possibilidades corporais a partir de técnicas de diferentes danças urbanas, mas desenvolvendo um trabalho autoral, marcado por um percurso de investigação das sensações que estimulam esses corpos a partir da individualidade dos intérpretes e de estados corporais construídos a partir da relação corpo-cidade. A pesquisa parte das danças urbanas, mas vai transformando suas bases, criando e modificando suas referências, desenvolvendo essa pesquisa particular.

O grupo T.F.Style teve início em 2002, sob direção de Igor Gasparini. A partir de 2007, com a direção artística de Frank Tavantti e com o desenvolvimento do elenco, surge o T.F.Style Cia de Dança, passando a existir enquanto companhia de dança na cidade de São Paulo, destacando-se justamente por esse diferencial: ser um dos núcleos pioneiros nesta investigação da Dança Urbana Contemporânea. É contemplada pela 20ª e pela 24ª Edição do Fomento à Dança da cidade de São Paulo (2016 e 2018) e pelo Edital PROAC de Circulação de Espetáculos de Dança no Estado de São Paulo.

ANTI

Histórico

O trabalho enquanto Companhia começa em 2007, quando a pesquisa se inicia a partir da parceria entre Igor Gasparini e Frank Tavantti que, junto ao elenco, desenvolvem o primeiro espetáculo: Formas – um aspecto em particular. Estre trabalho também foi apresentado, em 2008, no Instituto de Arte da Unicamp, em Campinas, na Universidade Paulista e no Teatro Eva Wilma, em São Paulo.

Em 2009, em parceria com a Prefeitura do Município de São Paulo, pela Secretaria de Educação, o T.F.Style realizou o espetáculo Formas – um aspecto em particular no CEU Aricanduva, promovendo oficinas para as crianças e adolescentes da região. Fez parte da programação do ABCDança 2009 promovendo a oficina “A teoria e a prática do hip hop” e dançou como convidado na abertura do espetáculo da KD Cia de Dança, em Potirendaba, interior de São Paulo. Ainda no mesmo ano, a Cia estreia Encontros e Desencontros, um espetáculo de dança urbana que buscou abordar a temática do amor e das relações afetivas entre as pessoas.

Em 2010, confirma a participação do espetáculo Encontros e Desencontros na programação do ABCDança, apresentando-se em cidades da Grande São Paulo e esteve em duas temporadas, no meses de Abril e Agosto, no Teatro Coletivo, na Consolação. O workshop “A teoria e a prática do hip hop” é ministrado pela companhia na programação da Virada Cultural de São Paulo. Realizou o espetáculo Encontros e Desencontros mais um vez no CEU Aricanduva e também no Teatro João Caetano, dentro do programa Vocacional Apresenta. Este trabalho também foi convidado para compor pauta do programa “Cidade Palco Escola” do Teatro de Dança, com apoio da Associação Paulista dos Amigos da Arte e do Governo do Estado de São Paulo.

Deserto de Ilusões

Em 2011, confirma participação do Espetáculo Encontros e Desencontros na Virada Cultural de São Paulo, com duas apresentações no SESC Interlagos. Também na Virada Cultural, promove o Fórum “Estresse e Ansiedade em Bailarinos Amadores e Profissionais” contando com profissionais da psicologia e bailarinos profissionais na mesa de discussão. O espetáculo Deserto de Ilusões teve a pré-estreia no mês de maio no Programa Vocacional Apresenta, no Teatro João Caetano; e o público fez parte do processo de criação, opinando e sugerindo alterações que foram estudadas para a estreia, no mês seguinte, no Teatro Coletivo, em São Paulo. Foram então confirmadas novas apresentações deste espetáculo no Teatro Centro da Terra, em temporada durante mês de agosto. E, do espetáculo Encontros e Desencontros duas temporadas: em agosto, pela Prefeitura de São Paulo, no Teatro Zanoni Ferrite; e, em setembro, a temporada pelo Fundo de Desenvolvimento da Educação (FDE), pela Rede SESC-SP. Por fim, ainda em setembro, a companhia realizou a abertura do 10º Prêmio Jovem Brasileiro, no Memorial da América Latina, tendo o diretor Igor Gasparini sido premiado na categoria Melhor Coreógrafo.

Em 2012, confirma novamente a participação dos espetáculos no Fundo de Desenvolvimento da Educação (FDE), pela Rede SESC-SP, apresentando o espetáculo Encontros e Desencontros, no SESC São Carlos e o espetáculo Deserto de Ilusões, no SESC Interlagos. Realiza mais uma temporada do espetáculo Deserto de Ilusões, no Teatro Coletivo, em São Paulo; no projeto Encontros, do Metrô Paraíso, e confirma a apresentação deste espetáculo na Programação 2012 do ABCDança, na cidade de Rio Grande da Serra. No mesmo evento e cidade, realiza o Fórum “Estresse e Ansiedade em bailarinos amadores e profissionais”. A oficina “A teoria e a prática do hip hop” também fez parte da programação da Virada Cultural de São Paulo. Ainda neste ano, o espetáculo Deserto de Ilusões também é confirmado para realização do Circuito Cultural Paulista, dançando em diversas cidades do interior, por iniciativa do Governo do Estado de São Paulo: José Bonifácio, Andradina, Avaré, Dois Córregos, Mirandópolis e Martinópolis.

Ainda em 2012, no segundo semestre, mais uma vez é apresentado o espetáculo Encontros e Desencontros no Fundo de Desenvolvimento da Educação (FDE), pela Rede SESC-SP, no SESC Bom Retiro, em São Paulo; e na programação de Dança do SESC Taubaté, no interior de São Paulo. E, com intervenções do espetáculo Deserto de Ilusões, a companhia também se apresenta em temporada no SESC Santana. Por fim, pela prefeitura de São Paulo, T.F.Style faz temporada do espetáculo Deserto de Ilusões no Teatro Zanoni Ferrite.

ENCONTROS E DESENCONTROS

Em 2013, a companhia  realiza o Programa Recreio nas Férias, da Secretaria Municipal de Educação em parceria com a Rede SESC-SP, realizando espetáculo Encontros e Desencontros e ministrando oficinas no SESC Interlagos. No Teatro TUCA, o diretor Igor Gasparini defende sua monografia “A comunicação entre dança e público: o papel do jornalismo cultural e do coreógrafo na relação obra-espectador”, promovendo um evento com o espetáculo Deserto de Ilusões + Conversa com o público + Banca de pós-graduação. O espetáculo Tempo tem sua pré-estreia na Virada Cultural de São Paulo no palco da Dança e, na Virada Cultural do Estado, vai à cidade de Caraguatatuba apresentar o espetáculo Encontros e Desencontros. Estreia o espetáculo Tempo em temporada na Sala Crisantempo. O T.F.Style participa neste ano do Circuito SESC de Artes com o espetáculo Deserto de Ilusões, apresentando-o nas cidades: Sertãozinho; Barretos; São Simão; Taquaritinga; Dois Córregos; Matão; São José do Rio Pardo; Ibaté; e Araras. E, pelo ABCDança, apresenta o espetáculo Tempo na Galeria Olido. Ainda em 2013, o espetáculo Tempo fica em cartaz no Teatro Sérgio Cardoso, pelo Governo do Estado de São Paulo e, na Galeria Olido, pela Prefeitura da cidade de São Paulo. Pelo SESC Bom Retiro, realiza 2 meses de espetáculos pelo Fundo de Desenvolvimento da Educação (FDE). E encerra temporada com ocupação site-especific no Museu da Imagem e do Som (MIS).

Em 2014, inicia as atividades em evento de comemoração aos 460 de São Paulo, promovido pela FIESP/SESI, na Av. Paulista. Participa da Virada Cultural do Estado de São Paulo com apresentações do espetáculo Deserto de Ilusões nas cidades de Indaiatuba e Diadema. Realiza workshops no Dia do Desafio do SESC Interlagos e apresenta o espetáculo Tempo, pelo Fundo de Desenvolvimento da Educação no SESC São Carlos. Participa ainda da Virada Cultural de São Paulo, com Intervenção no SESC Bom Retiro e é convidado para fazer parte da programação de abertura do Circuito São Paulo de Cultura, com apresentação de Tempo no Parque do Ibirapuera.

Estreia os espetáculos Anti, de Daniel Holt; e Beco, de Igor Gasparini e Frank Tavantti na Vila Maria Zélia, espaço alternativo, sede do Grupo XIX de Teatro. Os espetáculos são convidados, então, a compor pauta do Circuito São Paulo de Cultura, realizando temporadas nos: Centro Cultural da Cidade Tiradentes, Centro Cultural da Penha (Teatro Matrins Penna), Teatro Alfredo Mesquita e Teatro Zanoni Ferrite. A Companhia é contemplada pelo Programa VAI 2, da prefeitura de São Paulo e realiza 98 horas de oficinas e 16 espetáculos Tempo, em 4 CEUs da cidade: CEU Sapopemba, CEU Fomosa, CEU Vila do Sol e CEU Aricanduva. Mais uma vez, faz parte da programação do Circuito Cultural Paulista, do Governo do Estado, com apresentações nas cidades de: Avaré, Santa Cruz do Rio Pardo, Ourinhos, Palmital, São Simão, Guariba, Monte Alto e Novo Horizonte. E encerra as atividades de 2014 participando da Programação do Cultura Livre, também do Governo do Estado, com apresentação no Parque Villa-Lobos, em São Paulo e novamente no Dança no MIS, com intervenção do espetáculo Tempo.

BECO

Em 2015, a Companhia participa do SESC Verão no SESC Interlagos com workshops e intervenções do espetáculo BECO. Na sequência, este espetáculo também é apresentado no SESC Santo Amaro e em temporada no SESC Santana na programação Corpos Vetores. No dia do Desafio, o T.F.Style realiza intervenção e workshops no SESC Santo André; e o Espetáculo TEMPO é apresentado no SESC Jundiaí. O diretor e coreógrafo Igor Gasparini é convidado a participar do De improviso do SESC de Santos. BECO também foi apresentado no Centro de Referência da Dança (CRD), pela Secretaria de Cultura de São Paulo; participou do 6º Circuito Vozes do Corpo e também da programação do ABCDança 2015, com apresentação na cidade de Mauá.

Participa novamente da Virada Cultural Paulista com os espetáculos BECO, ANTI e TEMPO nas cidades de Bauru e Registro e da Virada Cultural de São Paulo, com intervenção no SESC Santana. O espetáculo BECO também é pauta do SESC Rio Preto, do SESC Bom Retiro e ANTI faz curta temporada do Teatro Sérgio Cardoso. A Companhia é convidada pela ocupação “Interlocuções poéticas 2015”, de ocupação da Funarte SP, para apresentação de BECO e este espetáculo também participa da VIII Mostra Corpos Nômades de Dança. O programa duplo BECO e ANTI é apresentado também no SESI Itú e a Cia encerra as apresentações de 2015 viajando à Brasília (DF) para apresentação de BECO na 3ª Conferência Nacional da Juventude.

Em 2016, é contemplada pela 20ª Edição do Fomento à Dança da cidade de São Paulo e pelo Edital PROAC de Circulação de Espetáculos de Dança no Estado de São Paulo.

Neste ano, participa do SESC Verão no SESC Campo Limpo com workshop, jam de dança e espetáculo BECO. O novo trabalho Sob a pele participa da Partilha do Sensível, em uma mostra de parte de seu processo no SESC Pinheiros. Tem sua estreia oficial, em março, no Centro Cultural São Paulo.  Intervenções urbanas do Espetáculo BECO são realizadas na Ocupação SESC Pq. Dom Pedro II e no Programa Ruas Abertas, da prefeitura de São Paulo, com apresentações nos bairros de Parelheiros, Guaianases, Sapopemba e Itaim Paulista. E este espetáculo também participa da Virada Cultural do Estado, com apresentações nas cidades de Indaiatuba e Santos e da Virada Cultural de São Paulo.

O projeto Dança Urbana Contemporânea: Diálogos é contemplado pelo Edital Cena Aberta 2016 da FUNARTE, com ocupação da sala Renée Gumiel, e surge com o objetivo de debater, aprofundar e compartilhar reflexões artísticas acerca da dança urbana contemporânea, convidando companhias de dança que desenvolvem pesquisas semelhantes à do T.F. Style Cia de Dança, e promovendo mesas de debate, vivências e espetáculos. Grupos convidados: Cia. Street Son, Mia Omori e André Bidú, Fragmento Urbano, Cia. Rogéria Zago (Piracicaba) e Grupo Up (Catanduva).

 

Apresentação Limeira-56

 

Ainda em 2016 participa do Circuito Cultural Paulista com o espetáculo Tempo nas cidades de Ribeirão Pires, Taboão da Serra, Americana, Bertioga, Itatiba, Itapira, Guariba e Batatais. E circula com o trabalho Sob a Pele pelo Circuito São Paulo de Cultura, apresentando-se no Teatro Cacilda Backer, no Teatro Zanoni Ferrite e na Galeria Olido. Sob a Pele ainda é apresentado no SESC Sorocaba, na Mostra de Fomento à Dança, no Centro Cultural da Cidade Tiradentes e no Dança no MIS. Além das apresentações, workshops são ministrados no SESC Belenzinho.

O T.F.Style inicia a primeira etapa de circulação do projeto Sob a Pele – Diálogos, contemplado pela 20ª Edição de Fomento à Dança da cidade de São Paulo, realizando apresentações, debates e vivências de compartilhamento de processos de criação, no Centro Cultural Formosa, junto com o Grupo Zumb’Boys. Os diálogos continuam no início de 2017, no Centro de Referência da Dança em duas temporadas: uma com o grupo Fragmento Urbano e outra com Vanilton Lakka e Fernando Prado. E encerra a primeira etapa deste projeto na Galeria Olido, em diálogo com o Grupo Impacto, de Viçosa/MG.

Também em 2017, o T.F.Style Cia de Dança circula com o trabalho Sob a Pele, promovendo apresentações, diálogos e workshops pelo Edital PROAC de Circulação de Espetáculos de Dança no Estado de São Paulo. Foram realizadas 20 apresentações, 10 workshops e 10 debates em cidades do interior e litoral de São Paulo: Registro, Americana, Batatais, Piracicaba, Garça, Itatiba, Praia Grande, Bertioga, Limeira e Mogi das Cruzes.

Além das circulações nestes dois projetos, a Companhia realizou outras apresentações do trabalho Beco no SESC Registro; na Virada Cultural de São Paulo; e na inauguração do SESC Florêncio de Abreu, participando da Semana MOVE. E com o trabalho Sob a Pele, no SESC Bauru; no SESC Ribeirão Preto; no Parque da Autonomia, à convite do Coletivo O12, na cidade de Votorantim; em Rio Grande da Serra, pelo ABCDança 2017; e nas cidades de Caraguatatuba, Marília e Botucatu, pela Virada Cultural Paulista. Realiza também o Circuito Cultural Paulista, apresentando Sob a Pele nas cidades de Serrana, Taubaté, Pirassununga e Mauá. E novamente realiza workshops no SESC Belenzinho.

 

IMGL6162

 

Ainda em 2017 estreia do trabalho Carne Urbana, pesquisa realizada pelo 20º Edital de Fomento à Dança da cidade de São Paulo, em temporadas no Teatro Flávio Império e no Teatro João Caetano.

Em 2018, a instalação coreográfica Carne Urbana é apresentada no Teatro Sérgio Cardoso e realiza circulação pelo Circuito São Paulo de Cultura em 10 Casas de Cultura e Centros Culturais da cidade. Realiza o projeto Carne Urbana – Ocupação, aprovado pela Funarte/SP, com apresentações da obra Carne Urbana, residência artística, debates e ensaios abertos na Sala Renée Gumiel. Também confirma participação no Circuito Cultural Paulista com o trabalho Sob a Pele, da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, nas cidades de Catanduva, Franca, Palmares Paulista e Guaíra. E, em São Paulo, realiza o trabalho Sob a Pele pelo FDE (Fundo de Desenvolvimento da Educação) em 4 escolas públicas estaduais.

O T.F.Style Cia de Dança é novamente contemplado para o Edital de Fomento à Dança para a cidade de São Paulo (24ª edição), com projeto denominado Carne Urbana: Sobre.Vivência. Dentre as ações do projeto está a circulação do trabalho Sob a Pele, que foi apresentado no Centro Cultural da Cidade Tiradentes, no Centro Cultural da Penha, na Universidade Anhembi Morumbi e no Centro de Referência da Dança – CRD-SP (esta última pela Mostra de Fomento à Dança para a cidade de São Paulo).

Também em 2018, a companhia realiza vivência dos processos de criação do trabalho Carne Urbana no Centro de Referência da Dança (CRD-SP) e realiza workshops no SESC Belenzinho; participa do evento Arte no Beco, da cidade de Itú; é selecionada para participar da 1ª Mostra do Corpo Contemporâneo, na cidade de Mogi das Cruzes; do Circuito Vozes do Corpo, organizado pela Cia Sansacroma; e apresenta Carne Urbana na cidade de Limeira, pela prefeitura da cidade, e no SESC Sorocaba. Carne Urbana ainda é selecionado para dois circuitos fora do Estado de São Paulo:

Em setembro, o T.F.Style Cia de Dança esteve em circulação no estado de Minas Gerais, apresentando Carne Urbana no Teatro Raul Belém Machado, em Belo Horizonte, e na ocupação Filó, em Ipatinga. E em dezembro, a instalação coreográfica é selecionada para apresentações no Rio de Janeiro no teatro Armando Gonzaga, sob organização da FUNARJ e da Secretaria do Estado do Rio de Janeiro. E ainda encerra as atividades de 2018 participando da ação Conexões do evento CORPOCIDADE 6, organizado pela Universidade Federal da Bahia, em Salvador.

 

http://renattonomura.com.br

 

 Em 2019, inicia as atividades do ano realizando um ciclo de ações do projeto Carne Urbana: Sobre.Vivência, contemplado pela 24ª edição de Fomento à Dança para a cidade de São Paulo, com a 1ª Residência Artística, apresentações da obra Carne Urbana com elenco, apresentações com os residentes e Mesa de Debates, na Galeria Olido. O mesmo ciclo também foi realizado na Oficina Oswald de Andrade e na Oficina Cultural Alfredo Volpi, contando com a 2ª Residência Artística e mais apresentações públicas da instalação coreográfica Carne Urbana, além das mesas de discussão que debatem a pesquisa do núcleo artístico, sendo uma delas realizada na Universidade Anhembi Morumbi e a última no Centro de Referência da Dança – CRD.  Ao todo foram 16 apresentações de Carne Urbana e 4 mesas de debate.

Neste ano, a companhia também realizou proposições poéticas para espaços alternativos, a partir da obra Sob a Pele, no SESC Belenzinho e no SESC Bauru. Esta proposição artística também foi selecionada para fazer parte do Dança à Deriva, Festival Internacional que dialoga trabalhos da América Latina. Pelas unidades do SESC Florêncio de Abreu, do SESC Belenzinho e do SESC Pq. Dom Pedro, a companhia apresentou coreografias e realizou workshops de danças urbanas e hip hop. Também participou da Virada Cultural de São Paulo com o trabalho Sob a Pele e realizou mais algumas intervenções de rua, pelo programa Ruas de Lazer, da prefeitura de São Paulo.

Ainda em 2019, a companhia realizará uma circulação da obra Carne Urbana pelos teatros distritais e centros culturais: Teatro Flávio Império, Centro de Referência da Dança, Centro Cultural Santo Amaro, Centro Cultural da Penha, Centro Cultural Formosa, Centro Cultural da Cidade Tiradentes. E o desenvolvimento da pesquisa do núcleo prevê a estreia de uma nova obra, ainda em 2019, com o nome provisório de ELO, que se configura como uma proposição poética para espaços alternativos e dialoga corpo, arquitetura e público em busca de outro olhar para a cidade. Tocar foi, ainda é, e para sempre será, a verdadeira revolução. Nem ele, nem ela. ELO.